quarta-feira, 13 de julho de 2011

quinta-feira, 2 de junho de 2011

ANDRE RIEU E AS BOND



Admiro ANDRE RIEU, pelas suas grandes e excelentes exibições espectaculares e especialmente pelo grande nível de execução!!!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

CASTELO BRANCO E SUAS ALDEIAS (Inclui Penha Garcia)



Neste Vídeo, que foca a beleza de algumas das Aldeias de Castelo Branco, nele estão inclusas as belezas naturais de PENHA GARCIA.
Se quiser ver directamente, basta deslocar o cursor de progressão para o minuto 26:36 e deixar correr até ao minuto 30:22.
Espero que me dêiam razão quando digo que Penha Garcia, "Presépio da Beira" é uma das mais lindas aldeias de Portugal.
OBRIGADO PELA VISITA
Com abraço do autor

sexta-feira, 22 de abril de 2011

NOSSA RESPONSABILIDADE




 Dr.ª Alcione Scarpin - Psicóloga

A médica e educadora italiana Maria Montessori, verificou que ao fazermos pela criança o que ela pode fazer por si própria, damos-lhe uma sensação de poder que ela não tem.
Deixar a criança viver as suas experiências e orienta -la, é antes de tudo um acto de afecto.
Já o educador brasileiro Paulo Freire se refere ao “assistencialismo” como uma forma de acção que rouba à pessoa, condições à consecução de uma das necessidades básicas da sua alma: a responsabilidade.
No âmbito da psicologia, sabemos que, qualquer intervenção psico-pedagógica, só pode ter sucesso, se for trabalhado o sentido da responsabilidade pela própria vida.
Alimentar a ideia de vitimação, a procura constante de culpados para o que corre mal à nossa volta, retira do ser humano a capacidade de mudança.
Daí que o desenvolvimento desta nobre capacidade, que é a responsabilidade, deva começar logo na infância, podendo ser muito explorada na adolescência para culminar na idade adulta, quando estamos plenamente capazes de gerir as nossas vidas.
A responsabilidade individual está estreitamente ligada à responsabilidade social, ao tomarmos consciência de que fazemos falta nos diferentes grupos que actuam na comunidade.
Se ao ler estas palavras, sentir-se incomodado(a), está no bom caminho.
Se ao ler estas palavras, olhar para dentro de si próprio, vai encontrar em si, um desejo imenso de ser artífice do seu destino e a força necessária para tornar tal desejo, realidade.

Lisboa, 21 de Abril de 2011




domingo, 17 de abril de 2011

DIFICULDADE EM DEIXAR COMENTÁRIOS
Porque me foi referida a dificuldade em deixar comentários acerca dos temas que para aqui vou trazendo, fui confirmar e verifiquei que na relidade assim é.
Deixo a forma como tais comentérios poderão ser inseridos:
Aberto o Blogue, no final de cada mensagem ou tema aparece "__ comentários"
Clicando sobre a palavra "comentários" aparece uma janela onde podem escrever.
Finalizado o texto, surgem três hipóteses:
Na primeira abrir bandeira e aparecem alguns nomes de servidores;
No caso de quem tiver conta no GOOGLE deve clicar sobre ele;
Depois clicar em pre-vizualizar. Aparecerá o que se escreveu.
Para finalizar clicar em enviar comentário.
Espero ter podido dar a ajuda que acho ser suficiente para o efeito.
Caso não consigam, sugiro me enviem o texto em MSG para serico115@hotmail.com que eu promoverei a sua inserção.
Meu abraço, e fico aguardando vossos benvindos comentários.

ORIGENS DE PENHA GARCIA E SEUS TESOUROS ARQUEOLÓGICOS

quinta-feira, 7 de abril de 2011

E SE NÓS CONSEGUISSEMOS APRENDER TAMBÉM A COMPORTAR-MO-NOS ASSIM!!!!!!!!!


LÚCIA:
Inicio por lhe manifestar meu apreço por ter posto a circular o texto abaixo
É algo que esta nossa civilização ocidental, que auto se arroga de ser o berço de uma civilização de progresso, não tenha ainda ao longo dos séculos de sua existência, conseguido sublimar esta sociedade onde nos encontramos inseridos, e que tão maltrata a ética dos valores e bons comportamentos.
É bom mesmo que se faça circular tudo que possa dar a conhecer um tão grande espírito de solidariedade, especialmente num período tão terrivelmente dramático....
Para si, minha saudação de grande apreço, e pelo que poderei deduzir ser portadora de um alto nível de ética e verdadeira moral lhe endereço meus sinceros parabéns.
José Costa

São estes exemplos que nos recusamos a seguir, porque estamos a ser educados e a educar, num ambiente de facilitismo, inveja, ganância e corrupção ímpar em séculos de história, quer em Portugal, quer na Europa.

UM EXEMPLO PARA TODOS...E, EM ESPECIAL,  PARA OS PORTUGUESES ! 
Talvez possamos aprender alguma coisa!
Enquanto o Japão conta os mortos (quase 17 mil, segundo as últimas estimativas oficiais) e eleva de quatro para cinco o nível de alerta nuclear, já a dois níveis do que se atingiu em Chernobyl, um jornalista da CNN, Jack Cafferty, não esconde a surpresa e faz uma pergunta:
«Tendo em conta a escassez de comida e a incrível destruição, incluindo em Tóquio, por que razão não estão a ocorrer episódios de pilhagens e vandalismo no Japão?» 
Cafferty estabelece um paralelo com o que sucedeu no seu próprio país depois da passagem  devastadora do furacão Katrina e cita um colega, Ed West, do Telegraph. 
West escreveu uma crónica na qual se confessava «estupefacto» pela reacção ordeira do povo japonês ao terramoto e ao tsunami, e do sentimento de solidariedade que encontrou um pouco por todo o lado.
«As cadeias de supermercado baixaram drasticamente os preços dos produtos assim que ficou clara a dimensão da catástrofe», conta Ed West. «Vendedores de bebidas começaram a distribui-las gratuitamente, com a justificação de que todos trabalhavam para assegurar a sobrevivência de todos». 
Cafferty adianta uma explicação: os japoneses possuem um código moral tão elevado que se mantém intacto mesmo nas horas mais sombrias, mesmo quando só existe destruição em redor.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

VANTAGEM DA CRIAÇÃO DE UMA NOVA RELIGIÃO QUE CONGREGASSE TODAS NUMA SÓ???



Transpus para aqui este texto que segue, por ver nele aquilo que em meu entender é a principal motivação para existência e aceitação de crenças e religiões. Logo a proposta de KATE DOUGLAS até terá algo de pertinente, pela necessidade que a maioria dos seres humanos têm e sentem falta, de uma "MULETA" espiritual em que se possam apoiar. Apenas me parece também que a ideia de poderem existir muitos Deuses ou Ídolos, não iria resultar. Mas é a sua opinião que me cabe respeitar.

"Apesar da contradição ciência x religião, muitos estudos científicos já apontaram benefícios da religião: as pessoas religiosas são mais felizes e saudáveis, e a religião oferece uma comunidade social.
Além disso, em um mundo globalizado, as migrações e o medo da instabilidade econômica aumentam, e quando os valores das pessoas são ameaçados, a religião prospera.
Sendo assim, com certeza não vamos nos livrar dela, como algumas pessoas desejariam. Então, qual seria a forma de religião ideal?
Segundo especialistas, as religiões atuais vêm em quatro “gostos”: “festa sagrada”, como a queima de incenso, os sinos e a música coral celestial no catolicismo; “terapia”, por exemplo, as práticas de cura e expulsão de demônios entre alguns cristãos evangélicos; “busca mística”, como a busca do nirvana budista, e “escola”, como estudos detalhados do Corão na cultura islâmica ou a leitura do Torá no judaísmo.
Todos eles tocam em necessidades e desejos humanos básicos. Uma nova religião mundial seria uma mistura harmoniosa de todos eles: a euforia e a pompa de uma festa sagrada, a simpatia e o conforto da terapia, os mistérios e as revelações de uma jornada eterna e o carinho e ambiente didático de uma escola.
Vários festivais, feriados e rituais iriam manter seus seguidores viciados. Ritos muito bizarros, como a mutilação do corpo, por exemplo, não fariam parte da religião ideal (apesar de atitudes aterrorizantes como essa vincularem as pessoas intensamente, tais ritos não são compatíveis com as religiões do mundo).
Mesmo assim, rituais traumáticos podem ainda figurar como cerimônias de iniciação, porque as pessoas tendem a se comprometerem mais com uma religião, bem como serem mais tolerantes com suas falhas, depois de pagar um alto preço para entrar nela.
Já os encontros regulares dessa religião focariam na dança e no canto para estimular a liberação de endorfinas, fundamentais para a coesão social. Para fazer com que as pessoas voltem, deverá também haver alguns mitos que quebrem as leis da física – mas não muitos. Nenhum extremo misticismo, pois tende a levar a divergências.
Com muitos deuses e grande tolerância a práticas locais, a nova religião seria altamente adaptável às necessidades de diferentes congregações sem perder sua identidade unificadora. A religião também enfatizaria assuntos mundanos com os quais a população é muito preocupada, como promover a utilização de contraceptivos e estimular famílias pequenas, além de defender grandes questões ambientais, a filantropia, o pacifismo e a cooperação.
Pronto, montamos uma religião ideal. E, como tudo que é ideal, é apenas uma idealização, muito longe da realidade.
Kate Douglas em [NewScientist]"

sábado, 19 de março de 2011

MINHA ALDEIA - PENHA GARCIA - COM TODA SUA BELEZA E EXPLENDOR


Pensamento de Agostinho da Silva 

  


1. Existe um Deus que é o conjunto de tudo quanto apercebemos no Universo. Tudo o que existe contém Deus, Deus contém tudo o que existe. Pode-se, sem blasfémia, considerar, falar não de Deus mas apenas do Universo, com Espírito e Matéria, formando um todo indissolúvel. A doutrina de Deus, tal como a pôs Cristo, permite considerar todas as religiões como boas, embora em graus diferentes, todos os homens como religiosos. Não poderá, portanto, fazer-se em nome de Deus qualquer perseguição: todo o homem é livre para examinar e escolher; a maior ou menor capacidade de exame e o resultado da escolha serão, em qualquer caso, a expressão do que ele é e do máximo a que pode chegar segundo as suas capacidades.

2. A visão mais alta que podemos ter com Deus, nós que somos apenas uma parte do Universo, é uma visão de Inteligência e de Amor; os pecados fundamentais que o homem poderá cometer são as limitações da Inteligência ou do Amor: toda a doutrina estreita, sem tolerância e sem compreensão da variedade do mundo, toda a ignorância voluntária, todo o impedimento posto ao progresso intelectual da humanidade, toda a violência, todo o ódio, limitam o nosso espírito e o dos outros, impedem que sintamos a grandeza, a universalidade de Deus.

3. Deus não exige de nós nenhum culto; prestamos a nossa homenagem a Deus, entramos em contacto pleno com o Universo, quando desenvolvemos a nossa inteligência e o nosso Amor: um laboratório, uma biblioteca são templos de Deus; uma escola é um templo de Deus, e o mais belo de todos. Todos podemos ser sacerdotes, porque todos temos capacidades de Inteligência e de Amor; e praticamos o mais elevado dos cultos a Deus quando propagamos a cultura, o que significa o derrubamento de todas as barreiras que se opõem ao Espírito. Estão ainda longe de Deus, de uma visão ampla de Deus os que fazem consistir o seu culto em palavras e ritos; mas dos que subirem mais alto não pode haver outra atitude senão a de os ajudar a transpor o longo caminho que ainda têm adiante. Ninguém reprovará o seu irmão por ele ser o que é; mas com paciência e persistência, com inteligência e com amor, procurará levá-lo ao nível mais alto.

4. Para que possa compreender Deus, para que possa, melhorando-se, melhorar também os outros, o homem precisa de ser livre; as liberdades essenciais são três: liberdade de cultura, liberdade de organização, social, liberdade económica. Pela liberdade de cultura, o homem poderá desenvolver ao máximo o seu espírito critico e criador; ninguém lhe fechará nenhum domínio; ninguém impedirá que transmita aos outros o que tiver aprendido ou pensado. Pela liberdade de organização social, o homem intervém no arranjo da sua vida em sociedade, administrando e guiando, em sistemas cada vez mais perfeitos à medida que a sua cultura se for alargando; para um bom governante, cada cidadão não é uma cabeça de rebanho; é como que o aluno de uma escola de humanidade: tem de se educar para o melhor dos regimes, através dos regimes possíveis. Pela liberdade económica, o homem assegura o necessário para que o seu espírito se liberte das preocupações materiais e possa dedicar-se ao que existe de mais belo e de mais amplo; nenhum homem deve ser explorado por outro homem; ninguém deve, pela posse dos meios de exploração e de transporte, que permitem explorar, pôr em perigo a sua liberdade de Espírito dos outros. No Reino Divino, na organização humana mais perfeita, não haverá nenhuma restrição de cultura, nenhuma propriedade. A tudo isto se poderá chegar gradualmente e pelo esforço fraterno de todos.

      (in “A Doutrina Cristã” editado em 1943) 

Atentemos bem no que nos é posto neste pensamento de Agostinho da Silva. Especialmente na primeira frase que sublinhei, deixando transparecer o que ele considera "DEUS".
Ele consegue apresentar um texto que, pode ser interpretado de harmonia com as convicções de quem o lê. Mas não permite a que alguém afirme que ele concebe DEUS, à luz de quaisquer religiões ou crenças. Afinal de contas, reanalisando o que em meu primeiro poste deste blog digo, apraz-me constatar que, também ele aponta para o mesmo tipo de mensagem.
Repare-se o sentido de "No reino Divino" equivalente a UNIVERSO, levando em conta a frase que primeiramente sublinhei.

quarta-feira, 16 de março de 2011

MEU COMENTÁRIO AO QUE CONSTA NO DIAPOSITIVO FINAL DE UM EXTRAORDINÁRIO (PELA SUA BELEZA), PPS DE FOTOS OBTIDAS DO HUBBLE.
Universo tem limites ? Vai ser eterno ? Viajaremos por ele ?
A isso o Hubble não pode responder. Os bilhões de galáxias, estrelas, planetas e outros corpos celestes, as distâncias infinitas, as dimensões fantásticas e a dinâmica das transformações situam o Universo muito além da imaginação e das indagações humanas. Nosso planetinha está dentro dele. É uma jóia minúscula, mas berço de nossas vidas e repositório de outras tantas maravilhas.
Em tudo, o Universo assombra, espanta e encanta. Para que ele exista é necessário que haja um Criador. Com Poder, Inteligência, Criatividade, gosto pela Beleza e pela Vida, em grau máximo.
É um privilégio de nossa geração poder conhecer melhor e ser participante desta obra incomparável de Deus.
MEU COMENTÁRIO
“É necessário que haja um Criador”...???
Será este fundamento suficiente para que se possa afirmar peremptoriamente de que existe um Criador???
Só porque filosoficamente se pensa nessa necessidade ele passou a existir?
Nesta base se fundamentam todas as religiões ou crenças, com a existência de um DEUS,
e que conforme essas religiões ou crenças é assumido com outras designações também.
A ciência ensina-nos a sermos prudentes e lúcidos quanto às teorias que se vão cons-
truindo, admitindo que poderão ser aceites até prova em contrário.
Penso que é este o fundamento em que assenta basicamente tudo o que constitui
crença nesta área, na medida em que essa prova em contrário é difícil de ser obtida. Mas
o inverso é igualmente verdadeiro.
Porque tem de ser aceite a teoria da existência e não a da não existência? (Isto para os crentes, como é óbvio).
Mas fica muito difícil conseguir aceitar essa postura. Vejamos:
Numa das fotos obtidas pelo HUBBLE, vemos que duas galáxias em redemoínho NG 2207 e IC 2163, se encontram a 114 milhões de anos luz de distância. Não será absurdo pensar que para além destas poderão existir mais 114 milhões anos luz e assim indefinidamente.
Um criador para tudo isto? Qual o perfil desse criador? Inimaginável, óbvio.
Agora raciocinando: Porquê, numa imensidão infinita, esse Criador terá escolhido um pontosinho que perante tal grandeza, nem tamanho tem o nosso planeta Terra, para decidir aqui fundar seu reino de habitantes de todas as espécies existentes, e entre elas eleger uma (humana), para se dar a conhecer?
Só poderei dizer que demasiadamente redutor de algo tão poderoso.
De tudo que leio, especialmente sobre as bases sólidas para poder firmar minha crença na existência de um Deus, não consegui ainda encontrar a resposta que me persuada à aceitação convicta de tal existência.
Mas me surpreende muito, a força das crenças na sua capacidade de serem aceites por tantos milhões de seres humanos que, aceitam, ao que creio, achando ser suficientes as bases que lhe são ditadas pelos “GURUS” de cada uma das religiões ou crenças, através dos séculos de suas existências.
Uns fundamentando-se na bíblia que, basta fazer uma sumária investigação sobre quem a escreveu, analisando o respectivo contexto no tempo e no espaço em que esses autores a redigiram... Mais ainda o aproveitamento que é feito de harmonia com as cirunstâncias de cada época, fazendo aquilo a que chamam de uma interpretação teológica, para que seus textos possam na maioria dos casos ser aceites de forma metafórica, dado que a intrerpretação literal, numa grande parte das situações tocaria o nível do ridículo até.
Outros se fundamentam noutros manuais “ALCORÃO” e muitos outros, mas cujas bases serão de idêntico teor e interpretação.

Eu deixo para reflexão o seguinte:
Aceitando-nos tal como tudo que temos conhecimento de sua existência, uma porção de matéria química, física e energeticamente organizada, dotados de uma apreciável capacidade de raciocinar, e pondo de parte todas essas crenças que subjugam a maioria dos habitantes humanos deste planeta;
Assimilando que não dependemos das vontades, caprichos ou julgamentos desses Deuses;
Que fosse disseminada uma cultura de vermos em nossos semelhantes companheiros e nunca alguém que nos quer subjugar ou de nós depender sob o ponto de vista de poder autoritário;
Que nessa cultura estivesse sempre presente a preocupação de não ver em nossos semelhantes adversários, mas antes companheiros solidários para todas as causas de índole contribuitiva para o bem e progresso da humanidade;
E tudo o mais que promova a paz e concórdia...
Será que essa dependência inculcada, de submissão aos ditames de todos e quaisquer tipos de religiões ou crenças, teria razão de existir???
Não estou apelando a que se desfaçam, cada um de sua crença. Mas analise-se o mundo actual, e veja-se o que esse tipo de posturas está originando em uma grande e substancial parte das gerações actuais, com seus radicalismos desenfreados, incapazes de abrir seus espíritos à realidade natural da vida com que a pródiga Natureza nos brindou.
É preciso lutar contra todos os radicalismos, sempre cegos em ver, tudo que não esteja em seu prisma de observação.
Não é preciso dar exemplos, pois infelizmente eles abundam em enorme demasia....